“A interpretação de algo como algo funda-se, essencialmente, numa posição prévia, visão prévia e concepção prévia. A interpretação nunca é a apreensão de um dado preliminar isenta de pressuposições. (…) Em todo o princípio de interpretação, ela apresenta-se como sendo aquilo que a interpretação necessariamente já “oferece”, ou seja, que é preliminarmente dado na posição prévia, visão prévia e concepção prévia.”

HEIDEGGER